Review Hayao Miyazaki: Laputa e o Castelo no Céu (1986)

o-castelo-no-cc3a9u-cena-81

Laputa… não tente separar esse nome, LOL

O terceiro filme da carreira de Miyazaki foi o primeiro do estúdio Ghibli. Dessa vez, a protagonista feminina, (Sheeta) é mais jovem que a princesa do Vale do Vento e, ao longo da trama, é acompanhada por um garoto da mesma idade (Pazu). O diretor novamente apresenta máquinas voadoras, e castelos também aparentam ser um cenário simbólico em suas animações.

Sheeta é descendente de um clã antigo, há um “Laputa” em seu sobrenome, e portadora de uma pedra misteriosa que possui vários poderes, inclusive o de mostrar a direção de Laputa, um castelo voador abarrotado de ouro e detentor de uma tecnologia muito avançada. Sheeta é perseguida por várias pessoas que almejam a pedra, incluindo um clã de piratas e o próprio exército. Numa das fugas, ela cai de um avião, mas é salva pelo poder da pedra, que a faz flutuar antes de cair em uma cidade mineradora. É assim que Pazu se encontra com Sheeta, e, ao saber que ela está sendo perseguida, resolve ajudá-la a sair da cidade. No entanto, o pai de Pazu foi um aviador que viu Laputa, mas ninguém acreditou em sua história, e o filho deseja mais do que tudo provar a todos que o castelo voador existe. Então, ele resolve seguir sua jornada com Sheeta para encontrar Laputa.

A relação do casal é muito bem trabalhada, assemelhando-se ao típico romance infantil e inocente que se traduz numa forte amizade capaz de resolver diversos momentos de complicações da trama. Apesar desses personagens criarem uma atmosfera mais delicada, há um clima mais maduro e político envolvendo o desejo do exército em se apossar de Laputa, trazendo à história alguns momentos de crítica ao desejo do homem por poder. O filme possui seus momentos altos e baixos, cenas emocionantes ou prolongadas em demasia, mas, quando os personagens, enfim, chegam à Laputa, a história inicia um ritmo mais eletrizante, uma vez que cada personagem possui objetivos próprios em relação à cidade voadora. Assim como em Nausicaä, Miyazaki não deixa de fora sua mensagem ecológica: Laputa era uma civilização super inteligente, mas, misteriosamente, foi abandonada e tomada pela natureza, e tudo o que resta são alguns robôs zelando o lugar.

É interessante notar que o símbolo de Laputa é semelhante ao emblema da roupa da protagonista de Nausicaä e o Vale do Vento, e o animal dourado que parece um esquilo, que está sempre acompanhando Nausicaä, aparece nos jardins do castelo, o que demonstra uma estranha relação entre os dois longas.

facebook_gekkou_gear!!

Curta nossa página no Facebook!

twitter_gekkou_gear!!

Siga-nos no Twitter!

Feed_gekkou_gear

Assine o nosso Feed!

Ask_gekkou_gear

Nos acompanhe no Ask!

Por, Luiz

3 comentários em “Review Hayao Miyazaki: Laputa e o Castelo no Céu (1986)

  1. quando vi o título a primeira coisa que me veio a cabeça foi o Aoshima kkkkkkkkkkk. esses filmes do Ghibli são perfeitos demais *-* vou procurar esse para assistir !!

    Curtir

    • Sim, Tiago. Falha minha, rs. Era um dirigível. Mais para a frente começam a aparecer aviões. Fiquei com aviões na cabeça depois de ter visto Vidas ao Vento xD

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s